CRÔNICAS DE PARATY: U pescadô i as noiti em altu mar

#11 CRÔNICAS DE PARATY: U pescadô i as noiti em altu mar Por Amélio Vaz (1945 – 2020)


Minha embarcação di estimação foi construída em Angra dus Reis i caiu na água dia 28 di outubru di 1968, dia da festa di Nossa Senhora dus Remédiu, padroeira du Corumbê. Dei u nomi di Mineirinha, porque achava muito bunitu essi nomi i também tinha otras embarcação qui si chamavam Paulistinha, Bahianinha i di demais istadus. Então, todu mundu dizia: A mineirinha vem lá! Mais antis di eu tê a Mineirinha, comprei uma canoinha di dois remu. A genti pescava a noiti, largava a redi as cincu hora mais o menus. Lá pelas oitu hora dispescava. Tirava u pexi i subia na pedra, agasalhava um pocu i lá pelas 10 hora dispescava dinovu. Tirava u pexi, largava i só tirava di madrugada. Ia pru portu, limpava, vendia i ia pra roça. A genti pescava cação, tainha, bagri, guivira, corvina i sororoca. Era muitu pexi. Assim, a genti foi lutandu. Depois eu vendi essa canoa i comprei uma maiô i coloquei um motozinhu. Aí já melhorô mais. Já pescava pra fora i cheguei a pescá 48kg de robalu. Mas também pesquei muitu di baliera com u Alziru, Lauru i Paulu Gomis porque a canoa não era suficienti pra durmi nu mar. U ventu molhava muitu i era perigosu. U pescadô sai pescá Eli faiz a sua oração. Eli ora pra São Pedru. Pra pedi a proteção. Pra dá boa pescaria. i podê ganhá u pão. Eli sai au mar adentru faiz sua pescaria. Pedi proteção a Deus i também a Virge Maria. Quandu pega muitu pexi dá pulu di alegria. Carregava a mineirinha Com a redi di pescá Depois qui largava a redi Eu começava a cantá Botava u ouvidu nu fundu Pra vê u pexi falá Eu fui au mar pescá Matei um Xaréu di Galha Vendi por mil quinhentus, Comprei um chapéu di palha. Coloquei na cabeça, Mas isso me atrapalha. Coloquei a redi au mar Pra pescá o camarão Fui saindu mais pra fora Pra pescá cação, Mas pesquei muitu robalo, Ganhei títulu di campeão!

Quando comecei a pescá com a minha Mineirinha, não ia sozinhu, trazia nu meu coração a proteção de Nossa Senhora Aparecida i um grandi companheiru, seu Antôniu. Foram noitis marcanti na minha vida i vai ficá sempri na minha memória. Dessi dia em dianti, começô a luta. Pescava pra criá us filho, o melhó, as filha. Di dia era camarão com arrastão i di noiti com redi pra pagá as divida, que era muitas. A dificuldadi era di entregá todu dia na cidadi, nas peixaria, muitu cansativu, mas rentável. Uma noiti eu cheguei a pescá 400 kg di cação. Podi parecê que é mentira di pescadô, mas é a mais pura verdadi. Fiz pocu dinheiru, porque a quantidadi não tinha valô. U qui tinha mais valô era a moeda. U sofrimentu também era enfrentá u mar, porqui não tinha comu sabê quando seu “humô” ia mudá. Das dificuldadi, temporal era u pió. Tevi um dia qui peguei um temporal muitu grandi, qui arrasô a embarcação di água. Cheguei na ilha do Picu, nu escuru, razinhu d’água, sem nada. Molhô tudu. Outra veiz, foi uma tromba d’água qui quase matô a genti. Noitis nu mar turbulentu, com trovão i ventanias. Passá a noiti au mar é uma noiti de agonia. Eli passa a noiti sonhandu com u amanhecê du dia. Noitis fria i noitis quenti, noiti às vezis em desesperu. É noiti correndu muitu, querendu chegá primeiru, au lugá ondi pescô pra marcá u pesqueiru. Noiti toda enluarada. Noiti cheia di ternura. Quandu chega a madrugada olha u céu lá nas altura. Puxa a redi carregada Oh! Qui noiti de fartura. Noiti de lua prateada. Noitis iscuras comu u breu. U pescadô fica sem rumu. Fica comu uma casa sem prumu. Sem achá u caminhu seu. Até achá a saída e vê a volta que eli deu. Mais di tantas istórias qui vivi nu mar, vô contá uma muitu interessanti. Um dia, estandu com u pé cortadu, ferimentu muitu grandi, fiquei muitus dia acamadu, sem podê pescá. Meu subrinhu ficava na baliera i não produzia. Então, saí de casa, ensaquei u pé i dissi pra mulhê: - Vô pescá! Chegandu nu portu combinei com otru pescadô qui mi ajudassi, mas foi tudu em vão. Dei um lanci muitu grandi di camarão i não tevi quem mi ajudassi. Fui obrigadu a mi esforçá i recolhê aquilu tudu sozinhu. Dei mais o menus 40kg di camarão i vendi u restu. Também tinha as noitis boa. Quandu a pescaria era boa. Barcu cheiu. U mar tava calmu. Também tivi momentus maravilhosu com a minha família. Fizemu passeius inesquecível, piqueniqui em lindas ilha, procissão di embarcação em datas festiva i levamu muitus amigus para conhecê u mar. Pesquei muitu com a minha Mineirinha, qui nunca mi deixô na mão. Hoji, falá dela, sintu uma angústia i uma dô nu coração. Infelizmenti, tivemu qui nus separá, com um passá du tempu a doença mi fez aposentá. A tristeza invadiu u meu sê, vê aquela grandi amiga sozinha lá nu cais. Resolvi contratá alguém para pescá, mas ninguém cuidava dela comu eu. Mineirinha muitu linda Era a minha embarcação. Vendi pur muitu pocu Não restô nenhum tostão Pois quandu lembru dela Dá dô nu coração Mineirinha não podia mais sê minha. A dô foi muitu grandi, Mas um dia iria passá i a ela só mi restô vendê a alguém qui poderia cuidá. Eu já narrei us meus fatu Peçu licença au senhô Presti atenção nessis causu! Cousas qui ninguém conto Aqui termina meus causu istória di um pescadô. Retirado do livro “Vida Caiçara: Istórias i Causus di Mestri Améliu Vaz” , ano 2017.

28 visualizações
  • Ícone branco do Facebook
  • Ícone branco do Instagram
  • Branca ícone do YouTube

Contato

© 2020 por Casa da Cultura de Paraty 
Todos os direitos reservados

Tel: +55 24 3371-2800

Email: faleconosco@casadaculturaparaty.org.br

Endereço

R. Dona Geralda, 194

Paraty - RJ - CEP: 23970-000